[RESENHA] “Jane Eyre”, de Charlotte Brontë

Em seu mais famoso livro, a mais velha das irmãs Brontë, Charlotte, escreveu um romance de formação com nuances góticas e vitorianas. A trama segue atual, sem deixar uma rota de fuga, dando-nos apenas a opção de apreciar cada detalhe de Jane Eyre. O clima de constante indignação durante toda a obra é a essência de Charlotte, que expõe questões de religiosidade, classes sociais e sexualidade, principalmente no cerne do espaço da mulher em sociedade.

Anúncios

[RESENHA] “A Amiga Genial”, de Elena Ferrante

O primeiro romance da tetralogia napolitana imerge à história de amizade de duas mulheres, Elena Greco (Lenú) e Rafaella Cerullo (Lila). A narração é iniciada em meados da década de 1950. O período do pós-guerra, a dominância da máfia na Itália, o machismo e a pobreza, formam o plano de fundo tecido magistralmente pela escritora.

De um jeito que nem todos saberão amar

hoje deixei meus lábios framboesa, vermelhos e macios que intentam ao desejo. hoje acordei para ser desejada não somente por mim. quero fazer gritar os repúdios até que corram para o desconhecido. hoje permito que se acordem e me acordem, não quero mais dormir. quero que saibam que estou indo além porque fui palpitada para … Continue lendo De um jeito que nem todos saberão amar

a instigante revolução de ir além

Depois de semanas existindo em rotina, em que acordava para trabalhar e ao primeiro passo para fora da cama já sentia meu corpo implorando para que voltasse, decidi bater no rosto, despertar e agir para alguma coisa que me ruborescesse novamente as bochechas. A falta do calor emotivo estava se definhando de maneira melancólica, não … Continue lendo a instigante revolução de ir além