Resenha

[RESENHA] “O Sol é para Todos”, de Harper Lee

Livro: O Sol é para Todos
Autora: Harper Lee
Ano: 1960
Páginas: 350
Editora: José Olympio
Gênero: Drama, ficção
Tradução: Beatriz Horta
ISBN: 8503009498, 9788503009492

98352f0e-7677-4d76-896b-72b2d2d8c24b


Clique e compre esse livro na Amazon
Clique e adicione ao Skoob.

Ambientado na década de 1930, “O Sol é para Todos” é um clássico literário que trata de preconceitos, confrontamentos com injustiças sociais e, principalmente, sobre empatia.

O livro é narrado por Scout, irmã de Jem e filha do Atticus Finch. Esses três personagens nos acompanham durante toda uma narrativa de recordações. Ela, Scout, nos guia de volta ao passado para um momento específico de sua infância, quando o pai deles resolve defender Tom, um negro que está sendo acusado de ter estuprado uma mulher branca.

Correlato a isso, entramos na vida de brincadeiras dos irmãos, da insistência deles em conhecer um vizinho que nunca sai à rua, da fidelidade familiar e como cada um evolui a partir dos acontecimentos que logo tomamos conhecimento.

A narrativa sincera de Jean (Scout) nos mostra uma sociedade americana racista, que não escondia a aversão que sentia pelas pessoas negras. Estas, que aparecem sempre à margem, como ‘não-seres humanos’, eram vistas como imorais e sem educação. É possível sentir repulsa real por essa qualificação destinada às “pessoas de cor”, como falado no livro.

Em certo momento, Atticus comenta sobre o pecado de matar um mockingbird (que seria como um rouxinol para nós). A relação da pureza do pássaro e a violência descabida que as pessoas possuem com quem é diferente, ilustram de maneira clara o quanto o preconceito pode fazer mal em uma sociedade.

A leitura, ao mesmo tempo que é encantadora, é tão verdadeira que dói. Reflexões são inevitáveis, ver as crianças crescendo em uma sociedade injusta e preconceituosa causa agonia, que se atenua ao vermos que isso, infelizmente, ocorre ainda hoje. Mas Harper Lee não nos deixa sem esperanças, pois, ver a educação que Atticus dedica aos dois filhos acalenta o desconforto e fortalece a ideia de que, apesar de tanta maldade, sempre há esperança no meio do conflito.

Avaliação: 5

“Queria que visse o que é verdadeira coragem, em vez de pensar que coragem é um homem com uma arma nas mãos. Coragem é sabermos que estamos perdendo a partida, mas recomeçar na mesma e avançar incondicionalmente até o fim. Raramente se ganha, mas às vezes conseguimos.” – Atticus Finch.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s